domingo, 2 de fevereiro de 2014

AMO O CAMINHO...



Amo o caminho que estendes por dentro das minhas divisões. 
Ignoro se um pássaro morto continua o seu voo 
Se se recorda dos movimentos migratórios 
E das estações. 
Mas não me importo de adoecer no teu colo 
De dormir ao relento entre as tuas mãos.

Daniel Faria, in “Dos Líquidos”

1 comentário:

Alice disse...

Belo poema do mais querido dos meus poetas. Abraço