quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O CORAÇÃO DOS JOVENS



«Os jovens apelidam de hipocrisia qualquer tradição que não aceita seguir a sua lógica interna de fraternidade, de amor aos pobres e de união mística com Deus.

Rejeitam qualquer valor antigo, excessivamente organizado e que não constitua um manancial de vida; não aceitam uma moral imposta de cima, uma moral esmagadora e asfixiante; querem viver e encontrar liberdade.

Estão fartos de ver crentes a recitar preces, a assistir a ofícios religiosos, a pregar moral, mas incoerentes com eles próprios, não dando à sua vida denominada «religiosa» as provas de autenticidade exigidas pelo Deus de Amor.
Os jovens são abertos, disponíveis, acolhedores e tolerantes.

Querem encontrar pela frente homens de convicção, que não se deixem levar por aquilo que os outros possam pensar ou dizer a seu respeito.

Acima de tudo, querem o que é verdadeiro. Pretendem que as pessoas sejam elas próprias, sem medo. Não as julgam por um sistema de valores ou por categorias.»

Jean Vanier, em "Novas Perspectivas do Amor"

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

DOÇURA PROFUNDA


«Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol que peca
Só quando, em vez de criar, seca.»

Fernando Pessoa, poema "Liberdade"

«Busco a doçura profunda,
a que nunca ninguém viu,
e cuja existência não pode ser posta em causa,
pois é a ela que devemos a beleza perfumada dos jacintos,
a luz nos olhos espantados dos animais e tudo o que,
sobre a terra e nos livros,
há de bom.»

Christian Bobin, em "Ressuscitar"

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

NATAL É LUZ E CALOR!


Desejo do fundo do meu coração,
Um Santo e Abençoado Natal para todos vós!

«Na nossa sociedade faz frio.
E o Natal é luz e calor!
A humanidade enregela sem o Espírito que é fogo.
Contra o frio do egoísmo,
o calor humano.
Contra o frio da ganância, o calor da generosidade.
Contra o frio da indiferença, o fogo da solidariedade.
Contra o frio da solidão, o fogo da proximidade.
Contra o frio do desencanto
, o fogo do ideal.»

(Vasco Pinto de Magalhães, em "Não há soluções. Há caminhos.")

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

TUDO SE RENOVA



Questiono todas as manhãs a árvore que está defronte da janela da sala:
"O que há de novo hoje?"
A resposta vem sem demora, dada em uníssono
por centenas de folhas:
"Tudo".
(Christian Bobin)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

POST SCRIPTUM

"Que a tua vida
seja natural como o respirar,
que o teu peso para os outros
seja apenas o das pétalas,
que a tua gratidão seja ilimitada
e as tuas palavras favos de ternura.

Que todos os que se aproximem de ti
tenham vontade de cantar
e de encher de luz e canções
as suas noites,
de despir os lutos do coração
e compor as jarras da alegria.

Procura a lucidez
que afasta os medos,
e a humildade para permaneceres
profundo em ti,
livre na vida,
eterno no momento,
fiel ao que permanece."

Henrique Manuel, em "Mas Há Sinais..."

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A LUZ QUE ILUMINAVA O RECREIO...


«J. foi ensinado por uma mãe professora, que o retinha na sala de aulas para lhe dar lições suplementares, enquanto as outras crianças corriam ao sol.
Os anos passaram. J. tornou-se um intelectual, ou seja, alguém cuja inteligência o impede de pensar. Escreve livros sobre os vagabundos do século XIX, buscando em vão, na poeira dos arquivos, a luz que iluminava o recreio da escola ao toque das cinco.»

Christian Bobin, em "Ressuscitar"

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

MANANCIAL DE AMOR INFINITO


«Só quando o coração do homem tiver encontrado esse manancial eterno de riquezas divinas, poderá renunciar, perfeitamente, aos bens que dividem os homens entre si.

É preciso que descubra a força do amor que encontra a sua origem em Deus.
É preciso que descubra o amor infinito de Deus por todos os homens,
e que depositem n´Ele toda a sua confiança.
É preciso que expurgue a religião de todos e qualquer elemento de hipocrisia,
é preciso que viva o essencial da mensagem de Jesus: a abertura ao Espírito Santo,
a compaixão pelos fracos e aflitos, pelos inimigos,
a renúncia a todo o julgamento ou condenação dos outros.»

Jean Vanier, em "Novas perspectivas do amor"

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

DO SOFRIMENTO À PAZ


Eu andava por um caminho atapetado da relva, e de repente ouvi uma voz atrás de mim: “Olha para ver se me reconheces!”
Voltei-me, olhei para ela, e disse: “Não consigo me lembrar do teu nome!”
Ela continuou: “Eu sou a primeira grande Dor que tiveste quando jovem”.
Os olhos dela pareciam a manhã em que o orvalho ainda paira no ar.
Fiquei em silêncio algum tempo, e depois lhe perguntei: “Perdeste aquele imenso fardo de lágrimas?”
Ela sorriu, sem responder, e eu compreendi que as suas lágrimas haviam tido Tempo de aprender a linguagem do sorriso. Depois, suspirando, acrescentou:
“Certa vez disseste que irias acariciar a tua tristeza para sempre...”
Corando, eu respondi: “Sim, mas passaram-se anos e acabei esquecendo”.
Então eu tomei as mãos dela nas minhas, e lhe disse: “Mas também tu mudaste muito”.
Ela respondeu: “O que antes era sofrimento, agora se transformou em paz.»

Rabindranath Tagore, em "Livro Estesia"

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

VIDA IMENSA E MISTERIOSA


«A vida foi verdadeiramente feita para nos surpreender (e isso não nos espanta de maneira nenhuma)...

Afinal, a vida não é de modo algum tão coerente como as nossas preocupações;
ela tem muito mais imprevistos e muito mais facetas do que nós...

Meu Deus, como é magnífica a vida,
precisamente pela sua imprevisibilidade
e pelos passos da nossa cegueira frequentemente tão estranhamente certos...»

Rainer Maria Rilke

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

PACIÊNCIA, PACIÊNCIA...

«Não atribuir às coisas mais significado do que elas já assumem naturalmente; não ver o sofrimento de fora, não medi-lo e chamá-lo grande: o "grande sofri-mento"...
Pois você não sabe se o seu coração não terá crescido com ele, se essa imensa fadiga não é o crescimento do coração.
Paciência, paciência, e não julgar no sofrimento, jamais julgar enquanto ele estiver sobre nós. Não temos uma medida para ele, fazemos comparações e exageramos.»

Rainer Maria Rilke

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

SER PARA UNIR


Ser é unir-se a si mesmo, ou unir os outros

Se não nos amarmos uns aos outros pereceremos,
porque para ser mais é preciso unir sempre mais.

Teilhard de Chardin

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

DOCE E SUAVE MELODIA


«Duas pessoas com o mesmo grau de paz
não precisam falar da melodia que define as suas horas.
Essa melodia é o que elas têm de comum entre si e por si.
Existe entre elas algo como um altar ardente,
e elas aproximam-se da chama sagrada respeitosamente com as suas raras sílabas.»

Rainer Maria Rilke

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A SUBLIME MISSÃO DE AMAR

«O amor é a ocasião única de amadurecer, de tomar forma,
de nos tornarmos um mundo para o ser amado.
É uma alta exigência, uma ambição sem limites,
que faz daquele que ama um eleito solicitado pelos mais vastos horizontes.»

Rainer Maria Rilke, em "Cartas a um jovem poeta"

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

MADRE TERESA - SABER DAR E RECEBER


«Um dia, enquanto caminhava por uma rua de Londres, vi um homem sentado que parecia muito só. Fui até junto dele, peguei-lhe na mão e apertei-a. Ele disse: "Há quanto tempo não sinto o calor de uma mão!" Compreendi que um gesto assim tão pequeno pode dar muita alegria.»

«Uma vez um mendigo veio ter comigo e disse-me: "Também eu gostaria de te dar alguma coisa como todos fazem." E ofereceu-me dez paisa (são dez cêntimos da rupia, nda). Eu sabia que se aceitasse ele não poderia comer; mas, se não aceitasse, ofendê-lo-ia. Aceitei e aquela oferta foi para mim mais rica de valor que o Prémio Nobel.»

Madre Teresa de Calcutá

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O DIREITO DO QUE ESTÁ DO AVESSO


"Há últimos que serão dos primeiros e primeiros que serão dos últimos."
Esta afirmação de Jesus é inquietante. É fácil de entender que muitos que têm sucesso neste mundo à custa do poder, do orgulho e da corrupção, no "ranking" do reino dos Céus vêm muito cá para baixo. Mas será o cristianismo um mundo ao contrário? Não, claro que não.
O cristianismo é outro mundo, o da verdade e da justiça! Mas também é o direito do que está do avesso."
(Vasco Pinto de Magalhães, em "Não há soluções. Há caminhos.")

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

HIPOCRISIA

"Se com alguma coisa Cristo se irritou, foi com a hipocrisia. Hipocrisia significa um juízo que está por baixo, subjacente, uma atitude sorrateira, o parecer e mostrar uma coisa, quando afinal o que se prentende é outra. A hipocrisia dá cabo das relações. E até o próprio, às vezes, já não sabe quem é nem o que quer. (...)
A hipocrisia ronda à nossa porta. É facil cair nela e Cristo bem nos avisou.
Dois exemplos: Os que exigem aos outros o que não estão dispostos a fazer nem sequer com a ponta de um dedo.
E os que só fazem as coisas para serem vistos e aplaudidos.
Daí que cada um se deva perguntar a si mesmo: - "Já me coloquei no lugar do outro antes de lhe exigir o que quer que seja?" - "E porque faço isto? É por uma boa causa ou é só porque me convém?"
(Vasco Pinto de Magalhães, s.j. in "Não há soluções, há caminhos")

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O PESO DOS MODELOS HERDADOS



«A gente sofre muito mais por causa das coisas herdadas do que por causa das coisas escolhidas. Os modelos em que vivemos não servem mas não sabemos ainda onde vamos morar. Ficámos presos nas ruínas das casas antigas e não conseguimos libertar-nos delas.»
António Alçada Baptista, em "O Riso de Deus"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

COMO É QUE DEUS NOS AJUDA?

«Como é que Deus nos ajuda? Resolvendo os nossos problemas? Não. Fazendo tudo aquilo que lhe pedimos? Também não; é muito mais profundo e mais sério, vemo-lo no exemplo de Cristo, inspirando e motivando a nossa acção.
Não nos tira os problemas, mas dá-nos, com o exemplo e o seu amor, a força para saber viver com eles e para os ultrapassar. Gostávamos de um Deus-Pai Natal, mas temos um Deus que é Espírito de Amor que nos leva a agir pondo ordem na criação.»

Vasco Pinto de Magalhães, em "Onde há crise, há esperança"

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O JULGAMENTO É SEMPRE DESTRUIDOR...

«Ao ver o prodigioso desabrochar que uma pessoa pode experimentar quando está envolvida em confiança e amor, quando não se sente mais julgada, podemos medir o poder sufocante da crítica alheia. Percebemos que, por sua vez, cada um julga os outros e os sufoca porque está sendo sufocado...

O julgamento é sempre destruidor... Quando reflectimos sobre isso, compreendemos quanto o medo de ser julgado empobrece a humanidade. É a fonte de todo o conformismo que nivela os homens e os fecha em seus comportamentos impessoais.
Quantos autores bem sensíveis jamais ousaram enfrentar a crítica pública e esconderam obras-primas em escrivaninhas? Quantas pessoas têm um boa ideia do que seria necessário para mudar o ambiente do seu escritório ou da sua oficina, mas evitam dizer algo com medo de serem ridicularizadas pelo patrão e tratadas como intrigantes por seus colegas?»

Paul Tournier, em "Culpa e Graça"

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

AMAR TEM MUITAS CARAS

«O amor é um apelo grande à verdade da nossa Vida. É ter consciência, e uma consciência mais afectiva que racional, que nos sentimos movidos por uma energia que faz com que cada coisa tenha um rumo. Em direcção a algo ou alguém que amamos. Não nos sentimos perdidos, mas por vezes quase que arrastados. É uma força pacífica e reconciliadora e, ao mesmo tempo, com uma violência que não nos deixa tomar o pulso à situação.

O amor tem a extraordinária capacidade de nos fazer "deixar andar", sem pensarmos muito nas consequências. Confiamos ingenuamente, perdemos tempo com tesouros que não custam ganhar. É felicidade e exigência. Quando a verdade do nosso bem faz bem, estamos entusiasmados. O amor é esta extraordinária capacidade de não sermos donos do tempo, nem de nós e, sobretudo, dos outros

António Valério s.j. http://amar-tesomente.blogspot.com/

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Para a minha menina-princesa...


«...talvez seja necessário despojarmo-nos de muitas coisas e tornar a vestir as vestes da inocência para que o amor nos possa ser revelado.» (António Alçada Baptista, em "O Riso de Deus")
Quando chegaste, redescobri em mim inocência e alegria.
Removi a máscara que sobrava:
nada havia a esconder de ti, nem medo é a não ser partires.

Supérfluas as palavras, dispensada a aparência, fiquei eu,
Sem prumo, como antes da primeira dúvida
E do último desencanto.

Quando chegaste, escutei meu nome como num outro tempo.
O meu lado da sombra entregou o que ninguém via:
As feridas sem cura e a esperança sem rumo.

( Lya Luft )

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

DIAMANTES


«Um diamante estava jogado na rua, coberto de sujeira. Muitos tolos passaram ao largo. Alguém, que conhecia diamantes, este o colheu...

...Eu admiro o diamante, que pode suportar as batidas do martelo»
(Kabir)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

SER FELIZ

"O desejo mais profundo de uma pessoa é ser feliz. Não só por um momento, mas feliz para sempre. Outra coisa não seria normal! Mas há quem desista desse sonho por lhe parecer uma paixão inútil e impossível, confundindo felicidade com bem-estar ou prazer.
Ser feliz é ser fecundo. É esse o significado da palavra. E uma árvore só é fecunda quando é podada. Não se é feliz sem podar o egoísmo."

(Vasco Pinto de Magalhães, s.j. in "Não há soluções, há caminhos")

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A SURPRESA DA ALEGRIA


A alegria e a surpresa andam de mãos dadas.
Isso revela-se sempre que conseguimos reagir com criatividade
às coisas inesperadas que fazem mudar
os nossos planos e, mesmo assim,
sentimos que tudo continua bem.

Por vezes, a alegria surpreende-nos.
Apanha-nos totalmente desprevenidos.
O importante é deixarmos que ela tome
conta de nós e continuarmos receptivos
à supresa divina.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

SONHOS DE INFINITO


Não te resignes nem te conformes
com o mundo tal como ele é.
Aceita o desafio
de abrir novas portas,
de cruzar novas fronteiras
e de alcançar um nova imensidão.

Só tem força para mudar algo no Mundo
quem alimenta os sonhos que tem.
Nós somos mais do que um corpo
dentro da pele que nos envolve.
Somos habitados por sonhos de infinito
que engrandecem o nosso coração
e podem mover montanhas.

Confia na esperança.
Ela dá-te uma alma grande.
Ela impele a tua alma
para que te concentres
no que tens a fazer
e possas, com toda a segurança,
reencontrar-te contigo próprio.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

O ROSTO HUMANO DE DEUS

«Muito mais profundamente tenho necessidade dos outros para conhecer verdadeiramente Jesus Cristo. Cada um deles é um dos Seus membros. Sei muito bem que quando me queixo da ausência de Jesus na minha vida é porque me fecho aos meus irmãos... São os seus rostos que, pouco a pouco, desenham no meu coração a Sua Face.»

Michel Quoist, em "Deus, sentido único"

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

DIGNIDADE

«A dignidade é algo muito raro. Um cargo ou uma posição de respeito dá «dignidade». É como vestir um casaco. O casaco, aquilo que se veste, dá «dignidade». Um título ou uma posição dão «dignidade». Mas se aos homens forem retiradas essas coisas, muito poucos ficarão com aquela qualidade de dignidade que vem com a liberdade interior de se ser nada.

O homem anseia ser algo, e esse algo confere-lhe uma posição na sociedade, posição que esta respeita. O homem coloca-se geralmente dentro de categorias - ser-se astuto, rico, santo, médico; mas, se ele não se colocar dentro de uma categoria que a sociedade reconheça, é tido por uma pessoa esquisita.
A dignidade não pode ser possuída nem cultivada, e estarmos convencidos de que somos «respeitados» é estarmos centrados em nós mesmos, o que é algo insignificante, pequeno. Ser-se nada é estar-se livre dessa ideia. Ser - não dentro de um qualquer estado particular - é a verdadeira dignidade. Esta não pode ser afugentada, está sempre lá.»

J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

AUTO-ACEITAÇÃO

«Parte do processo de auto-aceitação consiste em libertarmo-nos das opiniões dos outros. (...)
Frequentemente, as coisas que achamos que estão «erradas» connosco são somente a expressão da nossa individualidade.»

(Louise L. Hay)

A auto-aceitação é a capacidade de abraçarmos tudo que existe em nós.

É a disponibilidade para assumir e admitir as fraquezas e aceitar-se como imperfeito. Implica autenticidade e não o uso de máscaras, respeitando o seu «ser» e o «ser» do outro, aceitando a diferença, valorizando os próprios esfroços, cooperando consigo mesmo, tirando partido dos próprios erros, dominando e enfrentando o fracasso, sendo optimista e relativizando críticas... sabendo aprender, até mesmo com as injustas.

A auto-aceitação exige dois tipos de capacidade: a de aceitar as nossas qualidades, os nossos dons e as nossas competências sem vaidades; e a de aceitar os nossos limites e os nossos defeitos sem complexos de culpa. (...)

Só quem se aceita como é pode aceitar os outros como eles são, e não como gostaria que fossem, vivendo com eles na harmonia de quem sabe relacionar-se, e de quem aceita aprender com os outros... sempre.»

Ana Paula Bastos, em "Rumo à Plenitude do Ser"

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A ORAÇÃO SALVOU-ME A VIDA!

A oração salvou-me a vida. Sem a oração teria ficado muito tempo sem fé.
Ela salvou-me do desespero. Com o tempo a minha fé aumentou e a necessidade de orar tornou-se mais irresistível…
A minha paz muitas vezes causa inveja. Ela vem-me da oração.
Eu sou um homem de oração.
Como o corpo se não for lavado fica sujo, assim a alma sem oração se torna impura.

M. Gandhi

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

ONDE QUER QUE ESTEJAMOS...

«Onde quer que estejamos – com nossa família, em nossos locais de trabalho, com amigos ou em locais de adoração ou de lazer -, podemos nos erguer e nos tornar agentes de uma nova terra. Mas não vamos olhar alto demais. Não precisamos ser os salvadores do mundo! Somos simplesmente seres humanos, envoltos em fraqueza e esperança, chamados a nos unir para mudar o nosso mundo, um coração de cada vez.»

Jean Vanier, em "O despertar do ser"

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

A PRESENÇA DE DEUS

A presença de Deus é a verdadeira segurança.
Na verdade, não há qualquer outra.
O amor divino é a total afirmação de quem somos.

Thomas Keating

Pousa muitas vezes a mão sobre o teu coração e diz a ti mesmo:
«Deus vive comigo e em mim.»
A pouco e pouco, Deus far-te-á saborear aquela felicidade que vem da sua presença.»

Francisco Xavier Nguyen Van Thuan

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

NAS MÃOS DE DEUS

Quando falham todas as seguranças,
quando todos os apoios humanos foram derrubados
e desapareceram os atavios e as vestes,
o homem, desnudo e livre, quase contrafeito,
encontra-se nas mãos de Deus.
Um homem desnudo é um homem entregue,
como essas aves desplumadas que se sentem exultantes nas mãos cálidas do Pai.

Quando não se tem nada, Deus transforma-se em tudo.


Ignacio Larrañaga, em "O Sentido da Vida"

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

APRENDER A AMAR

«Aprender a amar corresponde, a meu ver, a aprender a viver, já que considero o Amor, em todas as suas cambiantes, como o sentido profundo e último da existência.(...)

Para quem ama, nada é meramente humano. Tudo está impregnado de divino!
Todo o amor que tivermos partilhado com os outros homens nossos irmãos, companheiros de jornada, adquire dimensões de infinito.»

Ana Paula Bastos, em "Rumo à Plenitude do Ser"

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

MEU REI

Meu Rei, houve um tempo em que eu não estava pronto para Ti.
Todavia, sem que eu pedisse,
entraste em meu coração como um desconhecido qualquer,
e marcaste os momentos fugazes da minha vida com Teu selo de eternidade.
Hoje, quando me deparo ao acaso com esses momentos
e neles vejo a Tua marca,
percebo que eles ficaram espalhados no pó,
misturados com a lembrança de alegrias
e tristezas dos meus dias esquecidos.
Tu não desprezavas os meus brinquedos de criança pelo chão,
e os passos que eu ouvia em meu quarto de brincar
são os mesmos que agora ecoam de estrela em estrela.

Rabindranath Tagore

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

DEUS HABITA EM NÓS

"Deus habita em nós.
Deus sempre se sentirá em casa connosco.
Mas, ai de nós, estamos fora de casa a maior parte do tempo."

(D. Basil Pennington, OCSO, em "Um Convite à Oração de Centramento")

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

BONDADE

«A bondade é um caminho extremamente severo e, porque é severa, tem necessidade de ser discreta. E de ser forte, porque a bondade, tal como o amor, exige força, a grande, a imensa força do Espírito.»

Susanna Tamaro, em "Querida Mathilda"

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

POEMA SOBRE A LIBERDADE


Onde o espírito vive sem medo
e a fronte se mantém erguida;
onde o saber é livre;
onde o mundo não foi dividido em pedaços
por estreitas paredes domésticas;
onde as palavras brotam do fundo da verdade;
onde o esforço incansável
estende os braços para a perfeição;
onde a fonte clara da razão
não perdeu o veio
no triste deserto de areia do hábito rotineiro;
onde o espírito é levado á Tua presença
em pensamento e acção sempre crescentes;
dentro desse céu de liberdade, ó meu Pai,
deixa que se erga a minha pátria.

Rabindranath Tagore

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

ESPERAR PARA REAGIR

"Escolher a vida, em vez da morte, muitas vezes exige um acto de vontade que contradiz nossos impulsos. Nossos impulsos querem vingança, enquanto nossa vontade quer oferecer perdão. Nossos impulsos nos empurram para uma reacção imediata: quando alguém nos bate na face, impulsivamente queremos revidar.

Como podemos deixar nossa vontade dominar nossos impulsos? A palavra-chave é espera. Independentemente do que aconteça, temos de colocar algum espaço entre o acto agressivo dirigido a nós e nossa reacção. Devemos nos distanciar, ter algum tempo para pensar, discutir com amigos e esperar até que estejamos prontos para reagir de uma forma vivificante. Reacções impulsivas pemitem que o mal nos vença, algo de que sempre nos arrependemos. Mas ponderar para reagir nos ajudará a vencer "o mal por meio do bem" (Rm 12,21)."

Henri J. M. Nouwen, em "Pão para o caminho"

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

DEUS NÃO SE APRENDE

«O perigo é acreditar que se pode «aprender» Deus.
Deus não Se aprende, revela-Se.
E é convivendo com Ele que Ele Se confia cada vez mais àqueles que O amam.(...)

É preciso nunca esquecer de que não se trata em primeiro lugar de abrir a mente a conhecimentos, mas, antes, de abrir o coração a um amor.
Para mim é sempre o mesmo problema: se não houver Encontro de Jesus Cristo, não pode haver fé; porque ter fé, não é acreditar numa ideia, mas em Alguém.»

Michel Quoist, em "Deus, Sentido Único"

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

QUANDO A MÃO DA VIDA É PESADA...

«...Quando a mão da Vida é pesada, e não se escutam canções durante a noite, a única coisa que nos alivia é acreditar e confiar no amor. Então, mesmo nas piores circunstâncias, tudo se torna mais leve, e algumas melodias surgem na escuridão - porque estamos amando e confiando neste amor...

O amor é aquilo que mais desejamos ter, e mais desejamos dar. E ninguém nota que ele está a toda hora sendo oferecido e recusado.»

Kahlil Gibran, em "Cartas de amor do profeta"

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

ESPIRITUALIDADE

«Espiritualidade é acertar o nosso passo pelas pegadas do Espírito. (...)

A Espiritualidade não será um tratado científico, mas uma aventura numa noite estrelada a caminho da aurora surpreendente de um amor que não tem ocaso.

Espiritualidade é secundar a acção do Espírito, mover os nossos pés ao ritmo do Espírito.

Espirtualidade é fazer com que a minha vida contribua para alcançar um pouquinho de felicidade para os que dela carecem. Espiritualidade não é refugiar-se numa redoma sagrada, mas antes reconhecer que tudo é sagrado...»

Carlos Bazarra, em "Pegadas na Vida"

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O RESSUSCITADO

«O Ressuscitado pede-nos para renascer, todos os dias,
para nos distanciarmos do nosso pequeno e prepotente eu,
para fazermos viver em nós um Tu maior,
para morrermos para os nossos apegos, as nossas certezas,
para darmos lugar ao deserto e esperarmos pela chuva.
Pela água que desce do céu e faz florescer até a areia.»

Susanna Tamaro, em "O Fogo e o Vento"

domingo, 20 de setembro de 2009

SER CRISTÃO

«É necessário dizê-lo e repeti-lo: ser cristão não é ser fiel às leis, mas antes de mais é ser fiel a Jesus Cristo. Ora, esta fidelidade quase nunca se inscreve na rigidez das regras, mas antes, passo a passo, numa humilde procura dos desejos do Pai na caminhada diária. »

Michel Quoist, em "Deus, sentido único"

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

O CORAÇÃO ABERTO


«O coração é o nosso sol, o nosso pequeno sol pessoal. Graças ao coração, damos luz e calor a quem nos rodeia. Graças ao coração, a nossa vida está cheia de alegria e de partilha. A abertura do coração é o único antídoto real contra a barbarização da nossa época. É esse o grande caminho a percorrer para que o futuro não seja um tempo de desolação, mas de construção e esperança."

Susanna Tamaro, em "Querida Mathilda"

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

O CORAÇÃO FECHADO


«O coração fechado em si mesmo como uma fortaleza depressa exala venenos, intoxica-se e inquina o ambiente que o rodeia.

Mas, felizmente, os venenos têm um antídoto. Posso reagir ao meu egoísmo, à minha maldade, ao meu desleixo, escolhendo o caminho do despojamento. Acolhendo a humildade e a palavra d´Aquele que, mais do que qualquer outro, no-la ensinou.»

Susanna Tamaro, em "O Fogo e o Vento"

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

RAÍZES

"Nós temos as nossas raízes na terra, temos e devemos ter, mas prendemo-nos às coisas ou rastejamos pelo chão; só alguns poucos se elevam para os céus. São eles os únicos seres humanos felizes e criativos. Os demais corrompem-se, e, através da ofensa e da maledicência, destroem-se uns aos outros neste mundo maravilhoso."


J. Krishanmurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

CHEGA ATÉ NÓS...

«Chega até nós, vindo não se sabe de onde, um sussurro, um chamado débil, uma premonição de que existe uma vida mais rica, e sabemos que a deixamos de lado. Cheios de tensão em face do ritmo louco de nossas tarefas diárias, a pressão é ainda maior em decorrência da inquietação interior, porque percebemos insinuações de que há um estilo de vida imensamente mais rico e profundo do que toda essa existência apressada. Existe uma vida repleta de serenidade, paz e poder, sem pressa.»

Thomas Kelly

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

A VERDADE SOBRE SI PRÓPRIO

Tal qual um rochedo não é balançado pelo vento,
um sábio não vacila diante de acusações e elogios.

(PROVÉRBIO BUDISTA)

Quando o homem não admite a verdade sobre si próprio,
faz depender a sua glória da opinião alheia,
e quando é chamado afortunado, magnífico, poderoso,
acredita, não por o ser,
mas porque assim é dito.
(S. Martinho de Dume)

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

UMA REVOLUÇÃO EFICAZ

«Uma revolução eficaz, capaz de renovar tudo, parte do coração do homem e atinge todas as estruturas políticas, económicas e sociais do mundo. Não pode ser realizada sem o homem ou sem Deus. Só se fará através do homem, em Cristo e com Cristo.»

Francisco Xavier Nguyen, em "O Caminho da Esperança"

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

PERDÃO - UM PROCESSO DE LIBERTAÇÃO

«O perdão, o acto de amar o inimigo assim como perdoar a si mesmo não é um evento repentino, uma mudança rápida de ânimo. A maior parte do tempo é um processo longo, que se inicia com o desejo de sermos livres, de nos aceitarmos como somos e de crescermos no amor por aqueles que são diferentes e por aqueles que nos magoaram ou aparecem como nossos rivais. É o processo de sairmos da prisão de nossas simpatias e antipatias, de nossos ódios e medos, e caminharmos para a liberdade e para a solidariedade. No processo de libertação pode ainda haver inibições, ressentimentos e raiva, mas há também este desejo crescendo de ser livre.»

Jean Vanier, em "O Despertar do Ser"

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

O RELACIONAMENTO AMOROSO

"Sabemos pouco do amor, da sua extraordinária ternura e poder. Muito facilmente usamos a palavra «amor; o militar usa-a, o carniceiro usa-a, o homem rico usa-a, assim como o rapaz e a rapariga. Mas sabemos pouco do amor, da sua vastidão, da sua imortalidade, da sua profundidade. Amar é ter consciência da eternidade.

O relacionamento é uma coisa estranha; muito facilmente caímos na habituação a um relacionamento particular, onde as coisas são tomadas como garantidas, com a situação aceite, não se tolerando qualquer variação; não se considera nenhum movimento em direcção à incerteza, mesmo por um segundo. Tudo é de tal modo regulado, tornado «seguro», bem amarrado, qua não há qualquer hipótese de frescura, de um respirar revivificador. A isto, e a muito mais, se chama relacionamento. Se observarmos de muito perto, verificamos que o verdadeiro relacionamento é muito mais subtil, mais rápido que um relâmpago, mais vasto do que a Terra, pois ele é vida. A vida é conflito.
Queremos fazer do relacionamento uma coisa grosseira, rígida, manipulável. Deste modo, ele perde a sua fragância, a sua beleza. Isto surge porque não amamos, e o amor é certamente a maior das coisas, pois nele acontece o completo abandono de nós mesmos. (...)

É preciso grande inteligência para um homem e uma mulher se esquecerem de si mesmos, para poderem viver juntos, não se rendendo um ao outro ou não sendo dominados um pelo outro. O relacionamento é a coisa mais difícil da vida."

J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

A EVASÃO

«Os que sempre se movem à superfície jamais suspeitarão dos prodígios ocultos nas raízes.
A tentação do homem - hoje mais do que nunca - é a superficialidade, ou seja, viver na periferia de si mesmo. Em vez de se confrontar com o seu próprio mistério, muitos preferem fechar os olhos, estugar o passo, escapar de si mesmos e procurar refúgio nas diversões e distracções.(...)

É mais agradável, e sobretudo mais fácil, a dispersão do que a concentração; eis então o homem nas asas da dispersão, eterno fugitivo de si mesmo, procurando qualquer refúgio desde que possa escapar do seu próprio mistério e problema. A nossa crise moderna é a crise da evasão.»

Ignacio Larrañaga, em "O sentido da vida"

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

NÃO DEIXES ENVELHECER TEU CORAÇÃO

«Não deixes que o teu coração envelheça com o passar do tempo.
Ama com um amor cada dia mais intenso, mais novo e mais puro,
como o amor que Deus derrama no teu coração.»

(Francisco Xavier Nguyen Van Thuan, O Caminho da Esperança")

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

A FORÇA CURATIVA DO AMOR

«Somente quando nos voltarmos para o nosso interior e descobrirmos lá a presença de Deus, nos tornaremos aquilo que essencialmente somos: seres humanos criados à imagem e semelhança de Deus, que nada mais somos do que amor.

A substância incorrompida do nosso ser é o amor. E somente se abrirmos nossos olhos para esta realidade mais profunda nos tornaremos verdadeiramente humanos. Então não seremos mais determinados por nossos ferimentos e humilhações, mas pelo amor que transforma nossas chagas, moldando-as em clamor por amor.

Somente quando descobrirmos o amor de Deus no "chão de nossa alma" cessaremos de procurar, ansiosa e avidamente, para fora, no mundo, a satisfação de nossas necessidades.
A cura é possível se experimentarmos amor, se pessoas nos amarem sem restrições e quando reconhecermos no amor humano o infinito amor de Deus. Este, no entanto, não depende do amor humano; também está presente em nosso coração. Por isso não precisamos procurar constantemente pessoas que nos amem.»

Anselm Grün, em "Abra seu coração para o amor"

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

COMPARAÇÃO

«Estamos constantemente a comparar-nos uns com os outros, com alguém que teve mais sorte, o que somos com aquilo que deveríamos ser. A comparação, de facto, mata. A comparação é degradante, ela perverte a nossa observação. E é no seio da comparação que somos criados.

Toda a nossa educação se baseia na comparação, assim como a nossa cultura. Portanto, existe uma constante luta para sermos uma coisa diferente daquilo que realmente somos.
A compreensão do que somos liberta a criatividade, mas a comparação alimenta a competitividade, a crueldade, a ambição e, pensamos nós, isso gera progresso. O progresso só nos levou até agora a guerras cruéis e à infelicidade como jamais o mundo conheceu. A verdadeira educação é educar as crianças sem comparação.»



J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O AMOR É...

«O amor é um coisa «perigosa», só ele traz a única revolução que proporciona felicidade.
São poucos os que são capazes de amar, e tão poucos os que querem o amor.

Amamos segundo as nossas próprias condições, fazendo do amor um coisa de mercado. Temos mentalidade mercantil, mas o amor não é comercializável nem é um negócio de troca.
O amor é um estado de ser, no qual todos os problemas humanos se resolvem. Vamos ao poço com um dedal e assim a vida torna-se uma coisa sem qualidade, insignificante e limitada.»

J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

PORQUE


Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Andresen

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O RIO DO AMOR

«Não sei, mas o amor incendeia-me. É uma chama inextinguível. Tenho tanto disso, que quero dá-lo a todos, e dou. É como um grande rio, que alimenta e rega cada vila e aldeia; ele vai sendo poluído, desagua nele a porcaria do ser humano, mas depressa as águas se purificam a si próprias, e rapidamente segue em frente. Nada pode estragar o amor, pois todas as coisas se dissolvem nele - o bom e o mau, o feio e o belo. O amor é algo que é a sua própria eternidade.»

J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

AS FERIDAS REMETEM AO AMOR

«A nossa fé no amor de Deus é apenas uma fineza piedosa ou pode realmente curar nossas feridas? A fé no amor de Deus não é uma droga milagrosa que funciona em qualquer ferimento. Creio que ela me ajuda a confrontar, sem angústia, com minhas feridas.

O amor de Deus é para mim uma atmosfera terapêutica, onde posso retirar as ligaduras das minhas chagas para que a expiração curativa de Deus sopre sobre elas. Minhas feridas querem justamente me remeter para a profundidade do amor de Deus. Elas me mostram que estou à mercê da graça desse maravilhoso amor, e que não posso me curar sozinho.

A ferida pode me abrir para o amor de Deus, e este fluir para intimidade do meu ser através da minha predisposição. Então sinto repentinamente, através do meu ferimento, apesar de tudo, uma profunda paz interior. A ferida não pára de doer, mas eu deixo de ficar revolvendo-a. Nela eu sinto que sou aceite e amado por Deus. Isto transforma a dor de quem está ferido na dor de quem é amado, que é mais leve de suportar. Neste sentido, as feridas tornam-se lugar de experiência divina.»

Anselm Grün, em "Abra seu coração para o amor"

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

SILÊNCIO (2ª parte)

Quem fala incessantemente
gasta as reservas de energias interiores.
Quando fazes silêncio,
trancas a porta da tua alma,
e isso leva a que a chama que arde em ti não se apague
e a fonte que te dá vida não se esgote.

Um silêncio puro e límpido
acalma a sede do nosso ser.
Sacia os desejos do coração.
É nele que reside a verdadeira
felicidade do Homem.

Aquele que, pelo silêncio,
se abeira do mistério da vida consegue,
em momentos de graça,
ouvir o canto do Universo,
o som das esferas celestes em movimento.
Quando vives o momento presente,
sentes-te invadir por uma alegria inigualável,
por um prazer que nada neste mundo te poderá roubar.

O silêncio é a porta
que o nosso ouvido interior abre
para se poder escutar a maravilhosa
melodia da alma.

Quando não dançamos apenas ao som
do assobio dos outros é sinal de que
estamos em sintonia connosco,
em sintonia com a música suave
que o nosso coração criou.
Descobre esta melodia interior.
Procura captar as notas do silêncio.
Mantém-te atento a tudo
o que desponta em ti.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

SILÊNCIO (1ª parte)

Precisamos de mergulhar no silêncio
se queremos sentir a felicidade
que habita no mais íntimo dos nossos corações.
Se nunca pararmos,
nunca conseguiremos senti-la.
Ela é como o mar: só quando está calmo
é que reflecte a beleza do mundo.
Só quando paramos, em silêncio,
é que podemos reflectir
a grandeza do que nos rodeia.
É então que podemos experimentar
a alegria que trazemos em nós.

Só podes encontrar-te contigo mesmo
se estiveres em silêncio.
As muitas influências do exterior debilitam-te.
Precisas do silêncio
para voltares a ser tu próprio,
em plenitude.

Procura o silêncio.
O ruído é como a sujidade e o pó.
O silêncio é um banho para a alma.
Não há purificação mais intensa
que a do silêncio.
É nele que está o caminho
para a paz do coração.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

AQUELES QUE ME AMAM...

Aqueles que me amam neste
mundo procuram a todo custo manter-me
preso. Mas o teu amor, muito maior que o
deles, é diferente, pois tu me conservas livre.

Eles temem que eu os esqueça, e por
isso nunca me deixam sozinho. No entanto,
passam-se dias e dias, e tu não apareces.

Mesmo que eu não te invoque em
minhas orações, e mesmo que eu não te
conserve em meu coração, o teu amor por
mim sempre fica esperando o meu amor.

Rabindranath Tagore

sexta-feira, 31 de julho de 2009

ARTE DA VIDA

«A vida não está dependente da quantidade das vivências, mas da sua qualidade.

A arte da vida implica viver cada momento, estar atento a si próprio, estar em sintonia consigo e com o mundo, compreender com todos os sentidos. Quando estou de posse dos meus sentidos, experimento tudo o que vem ter comigo de uma forma intensa. Então vejo em tudo o segredo, vejo em todas as coisas o Deus invisível.
Quando ouço plenamente, ouço o que é inaudível.

A vida não é, antes de mais, consumir, mas percepcionar, sentir, provar e saborear.
Não é quantidade de coisas que eu tomo para mim que decidem se eu vivo realmente, mas o modo como eu percepciono e experimento aquilo que me é oferecido.
Tem a ver, sobretudo, com a intensidade da vida. E essa precisa de sossego, serenidade, liberdade, admiração, entrega àquilo que verdadeiramente é importante.»

Anselm Grün, em "Bento de Núrsia - Mestre da Espiritualidade"

quarta-feira, 29 de julho de 2009

A EXPERIÊNCIA CURATIVA DO AMOR DE DEUS

«Em suas meditações sobre o amor, Ernesto Cardenal tentou abrir os olhos das pessoas para a realidade de que o amor de Deus as envolve em toda parte, que tudo é expressão deste amor divino: "O amor de Deus nos envolve por todos os lados. Seu amor é a água que bebemos; o ar que respiramos e a luz que enxergamos. Todos os fenômenos naturais são tão-somente distintas formas materiais do amor de Deus. Nós nos movemos em seu amor como o peixe na água".

Não basta ter fé para experimentar tal realidade, mas precisamos nos relacionar de outra maneira com a água, com o ar, com o alimento. Em cada gole de água que tomamos precisamos nos dar conta de que nele estamos bebendo do amor de Deus. E em cada gole de vinho podemos dizer em uníssono com o apaixonado do Cântico dos Cânticos: "Mais doce que o vinho é o teu amor" (4,10).

O atencioso e zeloso trato ao lidar com as coisas pode nos fazer perceber que em toda parte está o amor de Deus; que em tudo entramos em contacto com Ele. Isso irá modificar nossa vida: deixaremos de lamuriar que ninguém nos ama; que desejamos tanto um relacionamento de afecto e proximidade, mas que não o experimentamos porque ninguém se preocupa connosco, porque ninguém nos acha dignos de amor. Pelo contrário, o amor nos envolve; só precisamos aproveitá-lo."

(Anselm Grün, em "Abra seu coração para o amor")

segunda-feira, 27 de julho de 2009

EXPERIMENTAR O AMOR DE DEUS


«Da mesma forma que o sol aquece a pele e perpassa todo o corpo, o amor de Deus quer incidir sobre todos os poros de nosso ser.

O amor de Deus não é algo meramente cognitivo; ele pode ser experimentado no contacto com a criação, com o sol que nos ilumina ou o vento que nos acaricia ternamente.

O amor é sem objecto. Ele simplesmente é. Este também é um desejo que todos nós temos, o de sermos simplesmente amor.

Há aquelas pessoas visivelmente cheias de amor, totalmente permeáveis ao amor divino. Elas não estão apaixonadas por outra pessoa, mas irradiam o amor em todo o seu ser. Seu amor está presente no relacionamento com todos aqueles que elas encontram: têm a capacidade de se dirigir a cada um com total benevolência. Seu amor existe para os animais e plantas, para uma estátua ou uma pintura, assim como para a música. Está presente em cada momento. A presença destas pessoas nos faz sentir bem: irradiam amor; suas mãos têm algo de carinhoso. Não é possível descrever o que se passa connosco quando encontramos uma pessoa assim; de alguma maneira nos sentimos aceites, levados a sério, respeitados, amados; nosso coração começa a "degelar"; sentimo-nos livres, não precisamos ocultar nada, podemos ser realmente como somos.»

(Anselm Grun, em "Abra seu coração para o amor")

sexta-feira, 24 de julho de 2009

A BELEZA QUE NÃO PODE SER PINTADA

Os gregos da era clássica costumavam dizer que o homem, para atingir sua plenitude humana, deve ser belo e bom, e o inesquecível Cervantes, com seu mais inesquecível Dom Quixote, dirá, mais tarde, que não existe beleza separada da bondade. (...)

Francis Bacon, filósofo inglês, também se interessou por esse assunto quando escreveu: A melhor parte da beleza é aquela que não pode ser pintada.

Hoje, diríamos, com o desagrado de tantas actrizes e modelos, que a melhor parte da beleza é a que não pode ser fotografada, primeiro porque essas belezas de revistas, de cinema e TV são puras folhas de papel ou reflexos coloridos e, segundo, porque, na frase de Bacon, se trata de uma formosura espiritual que não pode ser captada nem pelas mais modernas câmeras digitais!

Héber Salvador de Lima SJ, em "Tudo é Graça..."

quarta-feira, 22 de julho de 2009

A BELEZA QUE SALVA O MUNDO

(foto de Madre Teresa de Calcutá)



O escritor russo Dostoiévski, belo representante extinto de uma raça de romancistas cristãos, disse esta frase singular e profunda: "A Beleza salvará o mundo!".

Que tipo de beleza será essa que ele chama de salvadora? Não é certamente a que nos aparece na TV, em certas revistas e nas telas dos cinemas. Há uma beleza transcendental que paira acima de tudo isso e brilha mais nas vidas do que nos corpos: a beleza do heroísmo, por exemplo; a beleza dos que colocam sua fé, seu idealismo, seus compromissos de vida, seu amor e fidelidade à família... num primeiro lugar muito elevado que não costuma ser explorado pelos mídia.

O verdadeiro artista, aos olhos de Deus, não é aquele que pinta quadros que valham milhões, esculpe estátuas ou brilha nos palcos de todo o mundo.

O artista genuíno é aquele ou aquela que brilham mais por dentro do que por fora, mas cujo brilho interior é tão intenso que ilumina a vida dos que os contemplam. É esse o tipo de beleza que tem o condão de salvar o mundo. O artista que irradia esse brilho salvador não é um tipo especial de pessoa, porque qualquer pessoa pode ser esse tipo especial de artista.

A única beleza que não passa e salva o mundo, é a de uma vida consagrada aos outros, na ânsia de minorar seus sofrimentos e de os tornar felizes!

Héber Salvador de Lima SJ, em "Tudo é Graça..."

segunda-feira, 20 de julho de 2009

BELEZA QUE NÃO PASSA...

(Foto de Jean Vanier)

O poeta inglês escreveu um verso imortal: «A thing of beauty is a joy for ever (Uma coisa bela é uma alegria eterna), mas esse dom de eternidade só lhe é concedido se ela não for meramente terrena e corpórea, reflectindo por fora o que lhe dá a Graça de Deus por dentro.

Como se sabe, eterno mesmo é somente Deus; portanto, neste mundo, tudo quanto pretenda ser perene e eterno tem de participar dessa eternidade divina; em outras palavras, qualquer beleza genuína tem de trazer em si os traços ou reflexos dessa Graça interior que só nos vem da presença de Deus dentro das nossas almas e de nossas vidas.

E como Deus não passa nunca, também esse tipo de beleza que floresce em nós, por causa de Sua Presença, jamais passará.

Héber Salvador de Lima SJ, em "Tudo é Graça..."

sexta-feira, 17 de julho de 2009

ACEITAÇÃO

«É decisivo para o seu crescimento saudável que a pessoa, desde muito cedo, se sinta aceite. Aceite não significa um sentimento de indiferença, um tanto me faz, um eu engulo tudo, um como te apetecer sem verdade nem exigência.

Aceitar outra pessoa significa dar a essa pessoa a possibilidade de ela estar diante de mim sem que tenha necessidade de se defender, de se mascarar ou de estar na expectativa de aprovação. Significa que pode ser ela própria.»

Vasco Pinto de Magalhães, em "Onde há crise, há esperança"

quarta-feira, 15 de julho de 2009

SE ME É NEGADO O AMOR


Se me é negado o amor, por que, então, amanhece;
por que sussurra o vento do sul entre as folhas recém nascidas?
Se me é negado o amor, por que, então,
A noite entristece com nostálgico silêncio as estrelas?
E por que este desatinado coração continua,
Esperançado e louco, olhando o mar infinito?

Rabindranath Tagore

segunda-feira, 13 de julho de 2009

ABRE A PORTA À ESPERANÇA

Ter esperança
é acreditar num futuro de redenção,
mesmo no meio das realidades mais tristes.
Ter esperança é não desistir de si próprio.
Ter esperança é confiar
que Deus pode transformar tudo.
Ele há-de encher a nossa alma de alegria,
se deixarmos que a Esperança
more no nosso coração.

Mantém a lucidez de espírito.
Não deixes que a tua alma seja toldada
pelas nuvens negras que passam
no firmamento do teu coração.

Quem consegue ver um raio de luz
por entre a neblina dos dias,
quem não deixa de acreditar na Luz,
mesmo que se encontre
na mais profunda das tristezas,
há-de encontrar no meio de todas as contrariedades
e da infelicidade o caminho para a libertação.
A capacidade de encontrar este caminho
nos momentos em que te sentes mais magoado,
desiludido ou desesperado
é o lado mais belo da arte de viver.

Cada um de nós carrega dentro de si
o paraíso para onde caminha.
E sendo assim, toda a caminhada
pode já significar uma antecipação do paraíso em si.
Mesmo que o céu da tua consciência
esteja coberto de nuvens negras
a anunciar tempestade,
nunca te esqueças que na tua alma
há um sol que brilha sempre.
O lugar que Deus habita dentro de ti
é um céu límpido e azul,
marcado pela claridade.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

sexta-feira, 10 de julho de 2009

A VERDADEIRA LIBERTAÇÃO

Organizar um exército, respondeu Jesus, é tarefa relativamente fácil.
Eu não vim para aniquilar os romanos,
mas para trazer outra libertação: vim para sujeitar os demónios do coração,
para transformar o ódio em amor e a vingança em perdão,
para pôr em debandada as legiões do egoísmo,
para pagar o mal com o bem e amar o inimigo,
para conquistar os impossíveis e alcançar uma estrela com a mão.

Quando tiver culminado esta libertação,
já não será possível no mundo o domínio de uns sobre os outros.

Ignacio Larrañaga

quarta-feira, 8 de julho de 2009

GRATIDÃO

Na opinião de Cícero, a gratidão é a atitude mais importante do ser humano. Trata-se da condição prévia para a «concórdia», para a união entre as pessoas e para a consonância dos corações. (...)

É a gratidão que determina o ser humano, uma vez que é através desta atitude que tomamos consciência da nossa relação existencial, que sentimos e reconhecemos a ligação com os outros, o facto de não vivermos sozinhos. Isso é válido para a nossa relação com as outras pessoas, às quais nos remetemos e sem as quais não conseguimos viver. Mas também é válido para a nossa relação com Deus, que é a razão mais profunda da nossa existência.
A gratidão é a mais profunda das orações, disse, certa vez, o monge beneditino David Steindl-Rast. (...)

A gratidão transforma a minha vida. «Aquele que começa a agradecer começa também a ver a vida com outros olhos» (Irmela Hofmann). Albert Schweitzer aconselha: «Quando te sentires fraco, abatido e infeliz, começa a agradecer, para começares a sentir-te melhor.»
Quando observo a minha vida com gratidão, a escuridão aclara-se e aquilo que é amargo adquire um sabor agradável. A gratidão livra-me do desânimo e da amargura e aproxima-me de Deus.

Diz-se que São Filipe Néri rezava à noite a seguinte oração:
«Senhor, agradeço-te pelo facto de as coisas hoje não terem corrido como eu queria, mas sim como Tu querias.»

Aquele que contempla o dia que passou com uma tal atitude de aceitação - que é, ao mesmo tempo, uma questão de humor e relativização da perspectiva do «eu» - não se irrita e não cai na tentação da vaidade; então, para ele, tudo se torna uma fonte de alegria e paz.

Anselm Grün, em "O Livro das Respostas"

segunda-feira, 6 de julho de 2009

INGRATIDÃO

Aquele que pensa, reconhece que pode estar grato por muitas das coisas que lhe acontecem diariamente. Vê-o nas muitas pequenas dádivas que recebe no quotidiano: a dádiva de um olhar amigo, de um bom encontro, de uma palavra que o conforta e tranquiliza.
O filósofo romano Cícero descreveu a ingratidão como um esquecimento. (...) O Talmud diz que a ingratidão é pior do que o roubo. E Johann Wolfgang von Goethe diz o seguinte: «A ingratidão é sempre um tipo de fraqueza. Nunca vi pessoas inteligentes serem ingratas.»(...)

O ingrato não é verdadeiramente um ser humano, precisamente porque não consegue aperceber-se das oportunidades importantes e positivas e vivê-las. Cícero está convencido de que só as pessoas gratas conseguem fazer amizades e viver em sociedade umas com as outras. As pessoas ingratas são pessoas desagradáveis. Ninguém quer ter qualquer tipo de relação com elas. Sentimo-nos mal quando próximo delas. Temos a sensação de que nunca lhes conseguimos agradar. Por isso, afastamo-nos, uma vez que delas emana uma atmosfera negativa e destrutiva.
A ingratidão destrói a harmonia dos corações.
Não é capaz de celebrar e, em última análise, de sentir alegria.
Nunca conseguimos agradar às pessoas ingratas.
São insaciáveis e nunca estão satisfeitas.
Não é possível entendermo-nos vem com pessoas ingratas.

Anselm Grün, em "O Livro das Respostas"

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Para entrar no Reino...

Para entrar no Reino,
o homem tem de começar por derrubar,
golpe a golpe, a estátua de si mesmo,
renunciar aos próprios delírios e fantasias,
despir-se de vestimentas artificiais
e arrancar máscaras postiças,
aceitar com naturalidade a própria contingência e precaridade,
e apresentar-se frente a Deus como uma criança,
como um pobre e um indigente.

Ignacio Larrañaga

quarta-feira, 1 de julho de 2009

A NOSSA MISSÃO NO MUNDO

Como cristão, interpreto a minha missão no mundo da seguinte forma: Deus - tal como Romano Guardini disse, certa vez - pronunciou sobre mim uma palavra original que pensou apenas para mim. Diria que se trata de uma palavra-passe que só serve para mim. A minha missão consiste em deixar que essa palavra única de Deus, que em mim encarnou, se torne perceptível neste mundo.

Posso dizer que gostaria de deixar neste mundo a minha marca de vida muito pessoal. Gostaria de voltar a irradiar neste mundo aquilo que Deus colocou em mim. Mas, o que é afinal, a minha marca de vida? Reconheço-a quando escuto o que existe dentro de mim e sinto que sou consistente. E reconheço-a quando me reconcilio com a minha história de vida.
Muitas vezes, é precisamente nas minhas lesões espirituais que consigo descobrir a marca que posso deixar neste mundo. No lugar onde me sinto magoado, também me abro ao meu verdadeiro ser, à palavra única que Deus pronunciou em mim.

Anselm Grün, em "O Livro das Respostas"

segunda-feira, 29 de junho de 2009

LIBERDADE NO ESPÍRITO

"Liberdade é aceitar que, quando pertencemos a um grupo, raça, tribo, família, comunidade, religião, nenhum desses é perfeito, cada um tem seus limites e fragilidades.
Toda comunidade de humanos tem sua luz e sua escuridão.
Todos nós somos parte de algo maior do que nós.
Todos nós fluímos de uma fonte insondável e estamos todos caminhando para ela, levando connosco a luz da verdade e do amor.
Cada um de nós é chamado a estar em comunhão com a Fonte e Centro do universo.
Os infinitos anseios do nosso coração nos chamam para estar em comunhão com o infinito.
Nenhum de nós pode se satisfazer com o limitado e com o finito.
Cada um de nós deve ser livre para seguir o Espírito de Deus."

Jean Vanier

sexta-feira, 26 de junho de 2009

PORQUE ELE NOS AMOU PRIMEIRO


Como vamos trazer o Amor para dentro dos nossos corações?
Vamos trabalhar a nossa vontade, para mantê-lo sempre próximo.
Vamos tentar copiar os que aprenderam a amar.
Vamos esquecer todas as regras que nos ensinaram sobre o que é o Amor, inclusive estas minhas palavras.

Vamos orar.
Vamos vigiar.
Nada disso, porém, nos vai fazer amar, porque o Amor é um efeito,
E só ao conhecermos a causa, o efeito se manifesta.

Devo dizer qual é esta causa?
Se lermos a Versão revisada da Primeira Epístola de João, vamos encontrar as seguintes palavras:
"Nós amamos porque Ele nos amou primeiro."Esta escrito: "nós amamos", e não "nós O amamos", como traduziram antes, de maneira errada. "Nós amamos porque Ele nos amou primeiro."
Reparem na palavra porque. Esta é a causa a que me refiro. Porque Ele primeiro nos amou, o efeito - consequentemente - é que nós amamos.

Somos todos manifestações do Amor.
Amamos a Ele, amamos a nós mesmos, amamos a todos.

É assim.
Nosso coração transforma-se aos poucos.

Contempla o amor que te é dado e saberás como amar.
Não podes ser obrigado a amar, e tampouco podes obrigar qualquer outra pessoa.
Tudo que podes fazer é olhar o Amor,
apaixonar-te por ele, e copiá-lo.

Ama o Amor.
Olha o grande sacrifício que Ele propôs a si mesmo.
Ao amarmo-Lo, tornamo-nos como Ele.
O Amor produz Amor.

Coloca uma peça de ferro numa fonte de electricidade, e levarás um choque.
É um processo de indução.
Ou coloca-a perto de um íman, e esta peça transforma-se em íman enquanto estiver ali. Permanece perto de Quem nos amou, e serás magnetizado por esse Amor.

Qualquer homem que buscar esta Causa, terá o seu Efeito.
Tentemos livrarmo-nos do preconceito de que a Busca Espiritual existe por acaso, ou capricho, ou devido ao nosso gosto pelo mistério.
Ela está aí por causa de uma lei natural - ou melhor, espiritual, porque é uma lei divina.

Edward Irving visitava um menino que estava a morrer.
Ao entrar no quarto, colocou a mão na testa do rapaz e disse:
"Rapaz, Deus ama-te."
Não disse mais nada. Saiu em seguida.
O menino levantou-se, chamou todas as pessoas da casa, e gritava:
"Deus ama-me! Deus ama-me!"

A mudança foi completa; a certeza de que Deus o amava deu-lhe forças, destruiu o que havia de mal, e permitiu a sua transformação.
Da mesma maneira, o Amor derrete o mal que existe no coração de um homem, e transforma-o numa criatura nova - paciente, humilde, tolerante, gentil, entregue, sincera.

Não existe nenhuma outra maneira de conseguir amar - e tão pouco há qualquer mistério sobre isto.
Nós amamos os outros, amamos a nós mesmos, amamos nossos inimigos, porque, primeiro, fomos amados por Ele.

"O Dom Supremo", Henry Drummond (traduzido e adaptado por Paulo Coelho)

quinta-feira, 25 de junho de 2009

APRENDER A AMAR

Este deve ser o nosso objectivo no mundo: aprender a amar.

A vida oferece-nos milhares de oportunidades para aprender a amar. Todo homem e toda mulher, em todos os dias de suas vidas, têm sempre uma boa oportunidade de entregar-se ao Amor.

A vida não é um longo feriado, mas um constante aprendizado. E a mais importante lição que temos é: aprender a amar. Amar cada vez melhor.
O que faz do homem um grande artista, um grande escritor, um grande músico?
Prática.
O que faz do homem um grande homem?
Prática. Nada mais.

O crescimento espiritual aplica as mesmas leis usadas pelo corpo e pela alma. Se um homem não exercita seu braço, jamais terá músculos. Se não exercita sua alma, jamais terá fortaleza de carácter, nem ideais, nem a beleza do crescimento espiritual.

O Amor não é um momento de entusiasmo. O Amor é uma rica, forte e generosa expressão das nossas vidas - a personalidade do homem no seu mais completo desenvolvimento.
E, para construir isto, precisamos de uma prática constante.

O que fazia Cristo na carpintaria?
Praticava.
Embora perfeito, aprendia - todos nós já lemos sobre isto. E assim ele crescia em sabedoria, para Deus e para os homens.

Procuremos ver o mundo como um grande aprendizado de Amor, e não lutemos contra aquilo que acontece nas nossas vidas. Não reclamemos por precisarmos de estar sempre atentos, ser obrigados a viver em ambientes mesquinhos, cruzando com almas pouco desenvolvidas. Esta foi a maneira que Deus encontrou para praticarmos.

Não nos assustemos com as tentações. Não te surpreendas com o facto de elas estarem sempre à tua volta, e não se afastarem - apesar de tanto esforço e tanta prece. É desta maneira que Deus trabalha as nossas almas.

Tudo isto te está a ensinar a ser paciente, humilde, generoso, entregue, delicado, tolerante.

Não afastes a Mão que esculpe a tua imagem, porque esta Mão também mostra o teu caminho. Está certo de que estás a ficar mais belo a cada minuto que passa - e, embora não percebas, dificuldades e tentações são as ferramentas utilizadas por Deus.

Lembra-te das palavras de Goethe: "O talento se desenvolve na solidão; o carácter no rio da vida." O talento desenvolve-se na solidão; a prece, a Fé, a meditação, a visão clara da vida. Mas o carácter só pode crescer se fizermos parte do mundo. Porque é no mundo que aprendemos a Amar.

"O Dom Supremo", Henry Drummond (traduzido e adaptado por Paulo Coelho)

terça-feira, 23 de junho de 2009

COMO AMEI?




Mateus nos dá uma descrição clássica do Juízo Final:
o Filho do Homem senta-se num trono, e separa, como um pastor, os cabritos das ovelhas.
Neste momento, a grande pergunta do ser humano não será:
"Como vivi?"
Será, isso sim: "Como amei?"

O teste final de toda busca da Salvação, será o Amor.
Não será levado em conta o que fizemos, em que acreditámos, o que conseguimos.
Nada disso nos será pedido. O que nos será pedido: será a maneira de amar o próximo.

Os erros que cometemos nem sequer serão lembrados.
Seremos julgados pelo bem que deixamos de fazer.
Pois manter o Amor trancado dentro de si é ir contra o Espírito de Deus, é a prova de que nunca O conhecemos, de que Ele nos amou em vão, de que Seu Filho morreu inutilmente.

Deixar de Amar significa dizer que Deus jamais inspirou os nossos pensamentos, as nossas vidas, e que nunca chegámos junto Dele o suficiente para sermos tocados pelo seu deslumbrante Amor.
Significa que:
"eu vivi por mim mesmo,
pensei por mim mesmo,
por mim mesmo, e ninguém mais como se Jesus jamais tivesse vivido,
como se Ele jamais tivesse morrido."

É diante de Deus que as nações do mundo serão reunidas.
É na presença de todos os outros homens que seremos julgados.
E cada homem julgar-se-á a si mesmo.
Ali estarão presentes aqueles que encontramos e ajudamos.
Ali também vão estar aqueles que desprezamos e negamos.
Não há necessidade de chamar qualquer Testemunha,
pois nossa própria vida se encarregará de mostrar, na frente de todos, o que fizemos.
Nenhuma outra acusação - além da falta de Amor - será proferida.

Não se enganem;
as palavras que neste Dia ouviremos não virão da teologia,
não virão dos santos,
não virão das igrejas.
Virão dos famintos e dos pobres.
Não virão dos credos e das doutrinas.
Virão dos desnudos e desabrigados.
Não virão das Bíblias e dos livros de orações.
Virão dos copos de água que damos ou deixamos de dar.

Quem é Cristo?
É aquele que alimentou os pobres, vestiu os nus, e visitou os doentes.

Onde está Cristo?
"Todo aquele que receber uma criancinha destas em meu nome, também me recebe."

E quem está com Cristo?
Aquele que ama.

"O Dom Supremo", Henry Drummond (Traduzido e adaptado por Paulo Coelho)

domingo, 21 de junho de 2009

O AMOR PERMANECE

"Quinze segundos de pureza aqui, outros dez além: com um pouco de sorte, terá havido na minha vida, quando partir, pureza suficiente para perfazer uma hora." (Christian Bobin)

Exijam de vós mesmos: viver uma vida plena e correcta. Se olharem para trás, perceberão que os melhores e mais importantes momentos da vida foram aqueles onde estava presente o espírito do Amor.

Quando olhamos o nosso passado - e não nos detemos nos prazeres transitórios da vida -, notamos que os momentos marcantes de nossa existência são aqueles em que vivíamos o amor; ou que, escondidos, fizemos algo de bom para alguém. Coisas às vezes tolas demais para serem contadas, mas que, por fracções de segundo, nos fizeram sentir como se estivéssemos mergulhados na Eternidade.

Eu já vi quase todas as coisas belas que Deus criou. Já gozei quase todos os prazeres que um homem pode gozar. Mesmo assim, ao olhar o meu passado, sobram apenas quatro ou cinco momentos - geralmente muito curtos - em que pude fazer uma pobre imitação do Amor de Deus. São estes momentos que justificam minha vida. Todo o resto é passageiro. Qualquer outro bem ou virtude é apenas uma ilusão. Estes pequenos actos de Amor que ninguém reparou, que ninguém conhece, justificam minha vida.
Porque o amor permanece.

"O Dom Supremo", Henry Drummond (traduzido e adaptado por Paulo Coelho)

sexta-feira, 19 de junho de 2009


«Só podemos vencer o adversário com o amor, nunca com o ódio.

O método da não-violência pode parecer demorado, muito demorado, mas eu estou convencido de que é o mais rápido»

Mahatma Gandhi

quinta-feira, 18 de junho de 2009

GOTA DE ÁGUA LIMPA


Um dia que a Madre Teresa estava em Roma de regresso de Oslo, onde lhe tinham entregado o Prémio Nobel, um jornalista perguntou-lhe se pensava que as suas fadigas tivessem mudado o mundo e ela respondeu:
-Olhe, nunca pensei em mudar o mundo. Só procurei ser uma gota de água limpa em que o amor de Deus pudesse brilhar. Esforce-se também você por ser um gota de àgua limpa e já seremos dois. É casado?
-Sim, Madre.
-Então, diga também à sua esposa e, assim, já seremos três! Tem filhos?
-Três filhos, Madre.
-Diga também a eles e, assim, já seremos seis.
"Madre Teresa de Calcutá, a mística dos últimos" - Franca Zambonini

terça-feira, 16 de junho de 2009

O QUE É QUE ME VALORIZA?

Todas as pessoas têm o seu valor, porque são criaturas de Deus. (...)

Valoriza-me o facto de ser humano, de ter sido criado por Deus e por Ele escolhido. E valoriza-me o facto de existir em mim qualquer coisa que pertence apenas a mim.
Ninguém sente as coisas da mesma maneira que eu.
Ninguém fala da mesma maneira que eu.
Ninguém respira da mesma maneira que eu.
Não devo ver o meu valor apenas naquilo que eu consigo fazer.
As minhas capacidades fazem parte do meu valor, mas não o esgotam. Apenas têm valor como parte da minha pessoa, que é única, e em que o próprio Deus se revela. (...)

O valor e a dignidade das pessoas consiste no facto de Deus ter criado o Homem à sua imagem e semelhança. No ser humano resplandece, portanto, o rosto de Deus. É essa a mensagem da Bíblia.

Para os cristãos, isso teve, mais uma vez, outro aprofundamento, devido ao facto de Deus ter encarnado em Jesus de Nazaré.
Se acreditarmos nisso, vemos em cada rosto humano o rosto de Jesus Cristo. (...)
O facto de existir em nós uma vida divina, um espírito divino e um amor divino, constitui a mais profunda das nossas dignidades.

Anselm Grün, em "O Livro das Respostas"

segunda-feira, 15 de junho de 2009

DAR TUDO

Eu mendigava de porta em porta,
pelo caminho da aldeia,
quando um carro de ouro surgiu à distância
e parecia um sonho esplêndido.

Perguntei a mim mesmo quem seria esse Rei de todos os reis.
Minhas esperanças subiram ao céu.
Eu pensava: terminaram os meus dias nefastos.
E tive esperança de esmolas espontâneas e de riquezas soltas na areia.

O carro parou onde eu estava.
Ele me olhou e disse sorrindo.
Eu senti que afinal chegara o dia da minha felicidade.

E de repente estendeu-me a mão direita, perguntando:
"Que tens para mim?"
Ah, teu gesto real de estender a mão direita a um mendigo!
Confuso, perplexo, meti a mão na sacola
e, devagar, retirei um pequeno grão de trigo, que lhe ofereci.

Mas, à tardinha, foi enorme a minha surpresa.
Esvaziando a minha sacola,
vi um grão de ouro entre os de trigo.

Chorei lágrimas amargas e lamentando-me dizia:
"Por que não lhe dei tudo?"

Rabindranath Tagore

sexta-feira, 12 de junho de 2009


Tu me apresentaste teus amigos, que eu não conhecia.
Tu me deste poltronas em lares que não eram o meu.
Tu aproximaste de mim quem estava longe
e de um estranho fizeste meu irmão.
Quando tenho de deixar o antigo lar,
sinto o coração inquieto.
Esqueço de que aí o velho permanece novo
e estás morando aí também.
Desde o nascimento até a morte,
neste ou em outros mundos,
onde quer que me guies,
és sempre o mesmo companheiro,
em minha vida infinita.
És Tu quem uniu meu coração a um estranho para sempre.
Para quem te conhece não há mais desconhecidos,
nenhuma porta se fecha.
Concede-me esta graça:
permite-me a felicidade de sempre ver aquele que é o único e num mundo variado.

Rabindranath Tagore

quinta-feira, 11 de junho de 2009


Quando o coração é luz,

tudo se veste de luz.

Dos altos cumes não descem águas turvas,

mas transparentes


Ignacio Larrañaga