quinta-feira, 11 de novembro de 2010

UMA ÁRVORE


"Se por algum desígnio voltar a esta terra amada gostava de ser uma árvore visitada por aves no Verão, por onde se passeassem os esquilos, onde escrevessem no casco pequenos nomes humanos apaixonados.

Uma árvore de uma floresta do norte onde no inverno cai a neve e há aquele silêncio que tudo guarda. E que depois fosse cortada por um lenhador, pai de uma família grande e saudável, e que parte de mim fosse logo queimada, o seu calor cozendo a comida de todos e que com a melhor madeira se fizesse uma mesa onde alguém um dia escrevesse uma carta a alguém que estivesse longe para lhe dizer que a amava."

Pedro Paixão, em "Nos teus braços morreríamos"

2 comentários:

Jean David disse...

"-Parabéns Pelo Espaço! Um Forte Abraço!"

ismael disse...

A árvore, esta generosa irmã do reino vegetal, é exemplo vivo de luz-amôr. Ela oferece sombra ao peregrino, flores que embelezam, perfume que inebria e frutos que alimentam .E quando morre, ainda é doadora, pois oferece madeira que tem mil utilidades para os homens.
Atraves da fotosintese, ela libera oxigenio, que mantem a vida pela respiraçao de homens e animais.
A sua pureza e mansidão serviu de abrigo para a meditaçao do Buda. Sabe-se que Cristo orava no Getsemani junto as árvores amigas.
Ela embeleza jardins , ornamenta bosques, servede de descanso aos visitantes das praças, e é o pulmão do planeta.
A árvore é exemplo de amôr silencioso, oração muda de ternura e bondade,