sexta-feira, 15 de maio de 2009

Reconciliando-te contigo próprio (3ªparte)


A tua voz, que é única,
não pode faltar na diversidade
dos que cantam no coro da humanidade.
De outra forma,
o Mundo seria mais pobre.
Sem ti, esta pluridade de vozes
não seria tão bonita.

Ter fé significa também encararmo-nos a uma nova luz.
Como é que te vês a ti próprio?
Com que critérios te avalias?
Põe de lado todos os preconceitos e avaliações
que te impedem de ver a tua verdadeira essência.
Olha para ti à luz de Deus.
Então, hás-de reconhecer que és, de verdade,
uma imagem única de Deus,
na qual a beleza divina brilha
de forma singular.

Senta-te, respira calmamente
e goza o prazer simples de sentir a vida
e de apreciar o teu ser em toda a sua singularidade.
Saboreia a vida,
sente o gosto da felicidade.
Não tens de mudar nada em ti,
com violência, obstinação ou intransigência.
Tu és quem és,
feito à imagem e semelhança de Deus,
protegido pelo seu amor incondicional.

Se o fizeres,
verás que a alegria te inunda.
E tudo será bom.

Anselm Grün, em "Em cada dia... um caminho para a felicidade"

1 comentário:

António Rosa disse...

A propósito de um post que escrevi sobre Vulcano, citei e linquei este seu blogue, que aprecio muito e do qual sou visitante regular.

António