terça-feira, 3 de junho de 2008

O Poder da Palavra

"O acto da fala deve ser uma expressão do nosso amor e da nossa bondade para com as pessoas. No entanto, isso só é possível quando, ao falar, não colocamos a nós mesmos no centro, nem tentamos manter a pessoa longe de nós, mas, sim, sem egoísmo, ficamos abertos para a pessoa e suas necessidades. Assim, a palavra se torna um serviço de amor em prol de alguém que espera por uma palavra de ânimo ou alegria." Anselm Grun, "Não Esqueça o Melhor"

3 comentários:

Éverton Vidal disse...

Quantas vezes nossa fala causa sofrimento e morte (de sonhos, pessoas, etc, quando na verdade deveríamos seguir o exemplo do Cristo até na fala, já que Evangelho é o Cristo em movimento, ou seja, também o seu modo de ser e agir - e falar.

Bela Reflexao.
Inté!

Viviana disse...

Olá Paulo,

Tão difícil é!
Mesmo para aqueles que se dizem cristãos!

A tendência humana é sempre colocarmos a "nossa pessoa" em primeiro lugar...

Nós ter-mos sempre razão!
Sabermos sempre mais que o outro!

Porém, quando queremos mesmo ser parecidos com o nosso amado Cristo... aí não nos importamos muito ou nada ... connosco, e damos evidência e valor ao outro.

O Everton tem razão.

Eu creio e defendo e procuro... uma forma de falar e um vocabulário diferente, que possa glorificar Cristo.

Não devemos ter medo nem vergonha de sermos diferentes.
Se fôrmos iguais a todos os outros, onde está o "Sal e onde está a Luz?"

um abraço
viviana

Caio disse...

Essa frase é impactante: "a palavra se torna um serviço de amor (...)"

Há um esforço gigantesco para tornar esse ideal, algo real.