domingo, 18 de novembro de 2007

Canções da minha vida III


Esta é provavelmente uma das melhores canções pop jamais escritas por uma das melhores bandas de sempre. É um clássico. Para mim, é uma música que acompanhou muitos momentos críticos e sofridos da minha adolescência. Hoje tem, obviamente, um significado diferente do que tinha há 10-15 anos atrás. Continua a ser uma canção melancólica e que me causa alguma nostalgia; mas, agora eu sinto que ela também transmite esperança e que há luminosidade na melodia e nas palavras.

Ainda há pouco estive a ouvi-la e confesso que me arrepiei e comovi profundamente... A voz de Morrissey é única, especial... a melodia é soberba... a letra aviva-me na memória muitas recordações de um tempo de solidão, descobertas, buscas, poesia, paixões de adolescente, tardes de melancolia... Esta é daquelas músicas que ficam para sempre gravadas no coração, e em cujas palavras descobrimos novos caminhos e significados.

Há uma luz que nunca se apaga... que nos guia e nos conduz à nossa verdadeira casa onde nos sentimos verdadeiramente amados... onde nos encontramos com o que somos destinados a ser.
The Smiths - "There is a light that never goes out"



Take me out tonight
Where there's music and there's people
Who are young and alive
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one anymore

Take me out tonight
Because I want to see people
And I want to see life
Driving in your car
Oh please don't drop me home
Because it's not my home, it's their home
And I'm welcome no more

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well the pleasure, the privilege is mine

Take me out tonight
Take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
And in the darkened underpass
I thought Oh God, my chance has come at last
But then a strange fear gripped me
And I just couldn't ask

Take me out tonight
Oh take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one
No, I haven't got one

And if a double-decker bus
Crashes in to us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well the pleasure, the privilege is mine

There is a light that never goes out
There is a light that never goes out
There is a light that never goes out
There is a light that never goes out

1 comentário:

Márcia Regina Nunes disse...

Oi Paulo!!!
Canções marcam nossas vidas, assim como cheiros, perfumes... nos fazem voltar no tempo, sentir coisas... Isso é o melhor de se estar vivo.
Visite meu blog e leia:
"DESORIENTE SUE NATAL"
Já que não se fala em outra coisa nesses dias...
um beijão pr'ocê
:)